12 Truques Mentais para Desenvolver Autodisciplina

Se queres mesmo desenvolver a tua força de vontade e autodisciplina, necessitas compreender alguns princípios psicológicos relativamente simples. A autodisciplina não nasce em ti de um dia para o outro. Pelo contrário, é um processo de formação de bons hábitos e dedicação difícil de completar. No entanto, a recompensa de dominar uma autodisciplina de aço vai durar toda a tua vida. Neste artigo, vamos te brindar com 12 truques mentais para que possas desenvolver a tua autodisciplina e, com essa ferramenta fundamental, vais passar a controlar a tua vida.

1 Atividades de Substituição

A autodisciplina é, na prática, o ato de resistir a tentações. Se conseguires resistir a tentações consegues ganhar o controlo sobre os teus hábitos, a tua produtividade e o teu estilo de vida.

Mas como é que treinas o teu cérebro para ignorar as tentações?

Uma das formas é substituindo essa “atividade tentadora” específica por outra previamente determinada por ti.

Exemplo: Cada vez que te sentires tentado a navegar nas redes sociais, substituis essa atividade pela leitura de um livro, ou por exercícios de respiração. O objetivo é canalizar essa energia latente para algo mais positivo. E vai fazer-te sentir melhor! Com o tempo, esse vício tenderá a dissipar-se no tempo.

2 Sistema de Quente e Frio

Todos nós temos um sistema mental que por vezes está quente, outras vezes está frio. Quando está quente, as emoções estão ao rubro e neste estado mental, as decisões raramente são as melhores. Pensamos apenas no imediato, não conseguimos vislumbrar outras opções, e esquecemos as consequências a longo prazo.

Quando o nosso sistema está frio o cérebro pensa com mais profundidade, pondera várias opções e as decisões são, normalmente, mais acertadas.

Muitas pessoas vivem sérios problemas de autodisciplina porque tomam quase todas as suas decisões quando o seu sistema mental está quente. No entanto, basta aguardar que o sistema quente perca alguma energia e comece a arrefecer. Quase sempre, podemos resistir a tentações aguardando alguns minutos antes de tomar a decisão parva que íamos tomar.

Com a prática, e o domínio absoluto da autodisciplina, podemos reduzir este tempo de arrefecimento para quase zero.

3 Controla os teus níveis de stress

O sistema de quente e frio abordado anteriormente é controlado pelo tempo, mas também pode ser controlado pelos níveis de stress. Quando estamos sujeitos a níveis elevados de stress, o nosso sistema quente entra em ação.

Por outras palavras, quando estamos stressados, a probabilidade de tomarmos decisões irresponsáveis e impulsivas é muito mais elevada. Quando tiveres que tomar decisões importantes, começa por praticar uma atividade que alivie o stress. Uma caminhada solitária, meditação, uma ida ao ginásio libertar energia, etc.

4 Impacto Ambiental

Digamos que duas pessoas estão a tentar viver vidas mais disciplinadas. Ambas queram melhorar a sua produtividade. Uma delas pratica os seus novos hábitos de produtividade na biblioteca e a outra no cinema. Quem pensas que terá maior probabilidade de ser bem-sucedida?

O ambiente onde estás inserido desempenha um papel fundamental na tua autodisciplina. Se te estiveres permanentemente em locais onde encontras tentações em toda o lado, é muito mais difícil resistir. Utiliza o ambiente a teu favor. Rodeia-te de pessoas com bons hábitos, frequenta locais onde é mais provável encontrar coisas que estão alinhadas com os teus verdadeiros objetivos.

5 Combustível de Disciplina

De acordo com um estudo de 2007, podes aumentar a tua autodisciplina de forma quase automática fornecendo ao teu corpo a energia que ele necessita. Uma refeição equilibrada (o excesso causará sonolência e fará diminuir a produtividade) irá fornecer ao cérebro a energia necessária para tomar as decisões mais corretas.

6 Um Pequeno Passo

Ter expectativas demasiado altas em relação a algo poderá arruinar o autocontrolo. Se te sentires intimidado com o obstáculo que aparece no caminho então irá parecer impossível ultrapassá-lo.

Felizmente existe um pequeno truque que te pode ajudar.

Não penses na montanha que terás que escalar. Foca-te apenas no pequeno passo que terás de dar a seguir. Esse pequeno objetivo é tudo o que precisas para te fazer continuar. Quando te aperceberes, terás ultrapassado essa grande montanha, um passo de cada vez.

7 Desculpas Esfarrapadas

És daqueles que arranja uma boa desculpa para cada vez que cedes a uma tentação, ou cometes um erro, ou não fazes algo que te comprometeste a fazer? Assim como praticando as coisas boas, vamos ficando melhores a fazê-las, com as coisas más passa-se o mesmo. As nossas desculpas vão ficando cada vez melhores. Até parecem verdadeiras! Mas basta refletir seriamente sobre essas justificações para perceber que são apenas “desculpas esfarrapadas”.

Vamos imaginar que o teu objetivo é ler mais e defines que tens que ler um livro por mês. Passado alguns meses percebes que ainda não leste quase nada. Nem um livro finalizado! Dizes a ti mesmo: “Mas calma! O trabalho tem sido esgotante e quando chego a casa estou demasiado cansado para ler!”

Basta pensar naquilo que fazes quando chegas a casa após um dia de trabalho esgotante: Redes sociais, televisão, Netflix.

No entanto, a construção de um hábito não se faz de um dia para o outro. Devemos começar devagar, neste caso lendo apenas algumas páginas por dia, ou 30 minutos por dia.

8 Sabotagem Linguística

A forma com te expressas pode sabotar a tua autodisciplina. Estudos demonstram que as pessoas que mais se queixam de maus hábitos e falta de autodisciplina têm níveis de autodisciplina mais baixos. É quase como uma profecia autoconcretizada.

Imagina que costumas dizer que eu não consigo deixar de fumar porque não tenho autodisciplina suficiente. Este tipo de afirmação cria uma mentalidade autodestrutiva passiva.

Para vencer isto devemos retirar a autodisciplina do discurso e passar a acreditar que vamos conseguir. “Eu ainda não consegui deixar de fumar.”

9 Disciplina Esgotada

Cientistas explicam que a autodisciplina é como um músculo. Fica mais forte se a praticarmos.

O contrário também é verdade. Se não a praticarmos irá atrofiar, tal como um músculo.

No entanto, devemos ter em conta que, tal como os músculos, se os utilizarmos em demasia, ficarão esgotados. Excesso de autodisciplina pode fazer-te esgotar a energia e contribui para tomares más decisões. E isso é o contrário do que queremos.

Pessoas autodisciplinadas sabem que têm que fazer uma pausa de vez em quando e atribuir uma recompensa pelos bons resultados alcançados.

10 Decisores Inteligentes

A autodisciplina é limitada. Então como é que podemos tomar decisões inteligentes sem esgotar a energia da autodisciplina?

Os “decisores inteligentes” evitam decisões impulsivas fazendo as suas escolhas antecipadamente.

Imaginemos que queres aumentar a tua produtividade no trabalho. No entanto, apercebes-te que passas o tempo com o teu telefone a verificar notificações e responder a mensagens. Isso consome muito tempo e energia. Os “decisores inteligentes” evitam essa tentação. Simplesmente deixam o telefone em casa.

Toma este tipo de decisões quando o teu “sistema frio” está em ação, tornando essa opção inexistente quando o “sistema quente” tomar conta do teu cérebro.

Durante um dia, tomamos milhares de microdecisões. Planeia antecipadamente para reduzir as decisões erradas que irias tomar. Torna-te um decisor inteligente.

11 Medição dos Hábitos

Mede o tempo que gastas em todas as tarefas, por mais insignificantes que pareçam. Após uma análise mais cuidada, apercebes-te que desperdiças horas por dia em distrações inúteis. Ao tomar consciência dessa realidade, poderás tomar medidas para evitar esses desperdícios.

Estas medições são ferramentas que te transmitem grande motivação porque te dão o poder da responsabilidade. Passas a perceber que depende exclusivamente de ti aumentar a tua produtividade e acabares com hábitos inúteis que nem sequer te dão prazer.

12 Performance Consistente

Em alguns dias vais trabalhar no teu desenvolvimento pessoal e progredir imenso. No entanto, noutros dias farás apenas o mínimo. Independentemente de ser um bom ou um mau dia, o a única coisa que importa é dar mais um passo no caminho da construção da autodisciplina. Não tens que estar no teu nível mais alto todos os dias. O mais importante é a consistência. Trabalhar no mesmo sentido, todos os dias.

Referências

Este artigo foi escrito tem por base um vídeo de um canal do YouTube chamado Top Think.

Deixo aqui em baixo o vídeo original (em Inglês).